fbpx

Capítulo 12 – Governo de Navios de Um Hélice

Home (concurso para prático) Fóruns Arte Naval Capítulo 12 – Governo de Navios de Um Hélice

Visualizando 3 respostas da discussão
  • Autor
    Posts
    • #5103
      Fábio L
      Participante

      O capítulo apresenta informações mais simplificadas e até controversas com outras publicações. Por exemplo: a popa sempre tende a cair para BB com marcha AR. O que levar em consideração? Os examinadores em alguma prova anterior já utilizaram este capítulo para formular questões de prova?

      Grato.

    • #5105
      fabio
      Mestre

      Fabio,

      Na prova voce tem que levar em consideração de qual livro veio a pergunta. Isso sempre é informado.
      No exemplo que voce mencionou, o Arte Naval e os demais livros levam em conta que o navio tem passo direito, se não for informado o contrário.

      A tendência é que no assunto “manobra de navios” a fonte seja o Shiphandling for the Mariner, mas já cairam questões sobre o cap 12 do Arte Naval. Não existe uma regra para este caso. Avalie o contexto.

    • #5414
      francesco.fa
      Espectador

      Boa noite,

      Seguindo às informações contidas no capítulo 12 referente à hélice de passo direito, observa-se o seguinte:
      “…Em geral prepondera o efeito das pás de baixo, isto é, na marcha AV, estando o leme a meio, a popa tende a cair para BB, principalmente quando o navio está em lastro (com pouca carga, o hélice aflora na superfície).
      …Em geral a popa tem a forma muito cheia em cima e fina embaixo (popa em V), preponderando o efeito das pás mais altas, pois a água lançada pelas pás inferiores passa por baixo da quilha. Portanto, na marcha AR, com o leme a meio, a popa tende a cair para BB.

      Entende-se que em ambos os casos (marcha AV ou AR), a popa tende a cair para BB (e de consequencia a proa do navio para BE).

      Logo em seguida, é apresentada a pressão lateral das pás, onde é especificado o seguinte:

      na marcha AV, nos navios de um só hélice (de passo direito), a tendência é ser a popa empurrada para BE; na marcha AR, o efeito é o inverso.

      O que considerar? Se não me engano, existe uma contradição.

      Agradeço antecipadamente

    • #5417
      Felipe Aidar
      Mestre

      Boa tarde Francesco,

      Começando pelo Naval Shiphandling, que sabemos que é a bibliografia que descreve melhor a força lateral dos propulsores. Assumindo hélice e segmento adiante, a tabela abaixo indica a direção para onde vai a POPA.

      Following Wake — BB
      Inclination — BE
      Shallow Submergence — BE
      Helical Discharge – BE

      O conjunto dos fatores que levam a POPA para BE são mais intensos e então a PROA vai para BB

      Arte Naval: A análise segue uma linha um pouco diferente. Os efeitos são:

      12.3) Corrente de descarga – POPA para BB (não bate com o Naval Shiphandling)
      12.4) Pressão lateral das pás – POPA para BE
      12.5) Corrente de esteira – Neutraliza a pressão lateral das pás (POPA para BB)

      Aí vem a frase da pg 584:

      Navio e hélice em marcha a vante:
      “(…) partindo do repouso, com o leme a meio, ao dar o navio adiante, a proa tende a guinar para BB, por causa da pressão lateral das pás. À medida que aumenta a velocidade esta tendência desaparece gradualmente (devido à corrente da esteira), e a meia velocidade pode-se admitir que o hélice não tem efeito evolutivo algum. Contudo, parece que alguns navios adquirem, nas altas velocidades, ligeira tendência para guinar para BE”.

      Esta frase pode estar em linha com o 12.5: conforme aumenta-se a velocidade, a corrente de esteira cresce e a tendência de guinar a PROA para BE cresce.

      Arte naval –> navio de guerra –> alta velocidade

      Espero que ajude nas suas análises, forte abraço!

Visualizando 3 respostas da discussão
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.