fbpx

Aproximação da mono-bóia

Visualizando 3 respostas da discussão
  • Autor
    Posts
    • #3441
      jiboia
      Espectador

      Minha duvida é referente a essa questão do livro SHFTM:

      4. The safest, most expedient approach to a single-point mooring is made by
      (Pages 213-14)
      I. heading directly at the mooring, keeping the buoy dead ahead as ship’s engine gees astern and stopping near the pickup buoy.
      II. making a significant course change. preferably to port, to come to the final
      approach heading, and then keeping the buoy fine on the port bow us the ship
      approaches the SPM.
      a. I only
      b. II only
      c. either I or II
      d. neither I nor II

      Quanto à primeira assertiva, não vi maiores problemas uma vez que o autor afirma que “if the ship has to change heading during the approach she can proceed at a greater speed prior to the course alteration. Plan one large change of heading during the last stage of the approach”, sendo falsa nesse contexto.

      Quanto à segunda, julguei como falsa, mas gostaria de CONFIRMAR se realmente é isso mesmo, porque entendi que se o objetivo é realizar uma acentuada mudança de proa antes da aproximação na reta final, então a curva deveria ser p/ STARBOARD, já que nesse sentido, a perda teórica de velocidade tende a ser maior.

      Grato

    • #3444
      pirata
      Participante

      Bom dia jiboia,

      Cuidado para não confundir a fase de aproximação da boia com a fase do rumo final. Digamos que você chega de uma longa viagem e se aproxima da boia num rumo perpendicular ao rumo final, primeiramente você faz uma grande alteração p/ o rumo final, quando estiver no rumo final, você procura deixar a boia na bochecha de bombordo. Dessa maneira se for necessário dar máquina a ré, eventualmente se mal calculada a aproximação e você for passar a boia, a proa do navio vai para boreste, assim evitando a colisão da proa com a boia.

      Se você reparar no livro, pg. 213, o autor fala que você deve manter a boia na bochecha de bombordo. Portanto não devemos nos aproximar, no rumo final, portanto, ao meu ver, alternativa falsa.

      O livro também não fala para qual bordo devemos girar para o rumo final, mas, creio eu, que isso varia em função do rumo que a embarcação esta e o rumo final de aproximação, portanto não existe um bordo preferido. Quanto a perda de velocidade ser maior para giro para boreste eu não encontrei nada no livro a respeito, procurei na parte de “HARD LEFT TURN AT 6 KNOTS” e nada! Sabe aonde tem isso?

      Espero que tenha ajudado,

      Sds.

    • #3454
      jiboia
      Espectador

      Depois de dar uma lida com mais calma, acho que reformulei meu entendimento, pelo seguinte.

      Na p. 10-11 ele comenta que “When handling smaller ships, the smaller diameter and greater rate of a low speed turn to the left is apparent to the observer”.

      Só que no contexto do livro da aproximação da monobóia o navio não é pequeno (são VLCC ou ULCC) e nem está a uma velocidade baixa antes de iniciar o giro. Por isso, nesse caso é melhor entender que “Trial data for VLCCs and ULCCs indicate that the differences between the turns to the right and turns to the left for these largest of vessels are insignificant.”

      Aí voltamos para a questão da segurança então, aproximando com curva a bombordo parece ser mais prudente, se for necessário dar máquina a ré. Queria mesmo era achar algum trecho do livro que explicasse isso melhor…

    • #3477
      pirata
      Participante

      Olha jiboia,

      Pelo o meu entendimento não necessariamente fazer a curva para bombordo é melhor, o livro não fala, portanto sendo indiferente esta curva para ser p/ bombordo ou p/ boreste.

      Mas cuidado! Pelo o que estou vendo vc esta um pouco confuso sobre a curva que o navio faz para se aproximar e a aproximação em si, lembre que são duas coisas distintas, a manobra segue da seguinte maneira:

      1. Aproximação do SPM vindo de um rumo qualquer (do porto de origem ou fundeadouro)
      2. Curva p/ seguir no rumo final, onde não se tem abatimento pelo vento ou corrente.
      3. Aproximação no rumo final.
      4. Amarração do navio

      O 2 segue a alguma distância da boia, por exemplo 3MN, após realizar essa curva você vai percorrer 3MN até o SPM e ai nesse caso você deixa a boia na bochecha de bombordo.

      Ficou mais claro agora?

Visualizando 3 respostas da discussão
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.